quarta-feira, 30 de maio de 2007

BARTÔ GALENO - DISCOGRAFIA (ANOS 70)


Confesso que as pérolas da minha infância eram ouvir estas magníficas canções. Era curioso, pra mim, ainda menino, verificar o estado de transe dos que ouviam tão pujantes canções.

As calças apertadas, comprimindo os ovos, o maço de cigarros preso no ombro da camisa, os sapatos lustrados e semi-empoeirados, as cabeleiras. Isso era a parte estética, no âmbito da ética pululavam cafajestes que faziam mocinhas sofrerem de amor, e estes mesmos cafajestes sofriam com chifres e recusas amorosas. E o sofrimento era o novelo onde era tecida toda a cosmogonia daquela geração. Porque sofrer edificava. Ouvir canções que falavam, com ironia e humor, da dor de amor, uma dor construída, que não machuca de fato, apenas cria uma alegoria de um sofrimento de que todos precisamos para estarmos atentos, para sermos fortes, para aceitarmos menos tragicamente a morte da mãe, do irmão; do filho, Deus meu! As mesmas amigas que se felicitavam e alcovitavam a amiga a trair o namorado choravam ao lado dela quando era ela a traída. Todos eram atraídos por este jogo, e ainda o são.

Afora isso, belos poemas de amor, reflexões sobre o homem de seu tempo, artistas inteligentes sem o ranço do iluminismo elitista e eurocêntrico. Depois das gerações dos 30 e 40, com magníficas canções e sapientíssimas interpretações da alma brasileira, da alma das ruas, a geração dos 70 foi o nosso último suspiro. Depois disso... o silêncio, o axé e o trance!




(1975) Só Lembranças


Faixas:

01. Só Lembranças
02. Esta Noite Eu Preciso Te Amar
03. Nesta Casa Onde Morou Felicidade
04. O Que Passou Deixa de Lado
05. Tudo Isso Porque Te Amo
06. Não Deixe Nada Pra Depois
07. Procuro Esquecer Que Te Amo
08. Coisas da Vida
09. Nosso Amor Já Morreu
10. Iza
11. Voltei
12. Palavras Perdidas

linque


(1977) Pelo Menos Uma Palavra


Faixas:

01 Pelo Menos Uma Palavra
02 Esta Saudade É de Você
03 De Que Vale Minha Vida Agora
04 Sorriso de Moça
05 Ela Não Vem
06 Longe de Você
07 Eu Quero
08 Querem Separar-me de Você
09 Vou Tirar Você Daqui
10 Sandrinha
11 Sidreira Viva
12 Você Vai Partir
13 Não Estou Sozinho

linque


(1978) No Toca-fita do Meu Carro


Faixas:

01 No Toca-fita do Meu Carro
02 Novamente
03 Que Amor Danado Que Arrumei
04 O Grande Amor de Minha Vida
05 Você Vai Se Arrepender
06 Pense, Meu Bem
07 Adeus, Solidão
08 Não Vou Voltar Atrás
09 Você Me Pertence
10 Lembranças do Rei
11 Velhos Tempos
12 Seja o Que For
13 Amor e Desprezo
14 Maria, Maria

linque


(1979) Tudo É Nada Sem Você


Faixas:

01 Tudo É Nada Sem Você
02 Sorriso Forçado
03 Problema de Amor
04 Imensa Euforia
05 Momentos Coloridos
06 Quem Ama Tem Ciúme
07 Você
08 Vem Ficar Perto de Mim
09 Saudade de Rosa
10 Onde Andará Meu Amor
11 Ninguém Além de Você
12 Assim Não Dá
13 Que Vontade de Te Ver
14 Violão Amigo

linque

domingo, 27 de maio de 2007

FALCÃO - WHAT PORRA IS THIS? (2006)


What Porra Is This? é o oitavo CD de Falcão. Se um dia existiu Mamonas Assassinas e Raimundos, é graças à cara-de-pau do gigante Falcão. What Porra Is This? apresenta todas as marcas registradas de Falcão. Filosofia para as massas, esculhambação da "inteligência nacional" e bom humor. São 11 composições próprias e uma regravação da espetacular It's Not Mole Não, Severina Cooper, de Acioly Neto. Para ouvir de cabo a rabo.


Faixas:

01 Pato Donald no Tucupi
02 Amanhã Será Tomorrow
03 Fome Zero-A-Zero
04 Quem Não Tem Cão Não Caça
05 Doa a Quem Doar
06 Desculpe Ter-lhe Visto
07 Horóscopo
08 Alguma Coisa Acontece no Meu Bucho
09 A Sociedade Não Pode Viver Sem as Pessoas
10 Severina Cooper
11 Ordem e Progresso
12 Doze Perguntas Que Podem Cair na Prova


ALÍPIO MARTINS - GRANDES SUCESSOS (1997)


Quando a lôra do Calypso ainda fedia a mijo, Alípio Martins saiu do Pará pra substituir Roberto Carlos como o maior cantor do Brasil. Se não tivesse morrido, teria feito com certeza. O "Rei" se cagava de medo.

(...) Alípio era foda! Ninguém no brega brasileiro foi mais inteligente, mais saliente e mais humorado que Alípio Martins...


* Sugado do blogue Guabiras.



Faixas:

01. Onde Andará Você
02. Garota
03. Vem Me Amar
04. Pra Mim, Você Morreu
05. Oh! Darcy
06. Você é Minha Paixão
07. Você é Que Sabe
08. Só Você
09. Carta de Amor
10. Louco de Amor
11. Essa Garota é Minha
12. Separação
13. Não Chora
14. Raios de Sol


segunda-feira, 21 de maio de 2007

BARTÔ GALENO - SELEÇÃO DE OURO 20 SUCESSOS


Bartô de volta...

E essa pra não restar dúvidas! Uma coletânea de responsa deste grande nome de nossa música popular(!) Depois do primeiro lançamento do MÚSICA DAS ANTIGAS, e após tantos pedidos, e outras tantas atitudes reacionárias estranhas via recados no Orkut, vai agora essa... Mas é de cum força!! Só de raiva!!

Fora as infinitas e inconclusivas discussões acerca da música popular, suas questões estéticas, dos limites do "bom-gosto", da "música de qualidade" etc etc etc, parece estranho que essa querela leve pessoas ao incômodo e ao mal-estar. Como pode uma expressão musical pura e despretensiosa causar tanto furor? Bartô deve estar rindo agora... E tomando todas pra acompanhar.

Quando perguntado certa vez se gostava de ser chamado de brega, respondeu: "Eu aceito, porque o nosso país é brega".

Nenhuma palavra mais.


Faixas:

01 Pelo Menos Uma Palavra
02 Sorriso De Moça
03 Vou Tirar Você Daqui
04 De Que Vale A Minha Vida Agora
05 Querem Separ-Me De Você
06 Tudo É Nada Sem Você
07 Momentos Coloridos
08 Vem Ficar Junto De Mim
09. Sorriso Forçado
10 Você
11 Só Lembranças
12 Procuro Esquecer Que Te Amo
13 Esta Noite Eu Preciso Te Amar
14 Coisas Da Vida
15 Nosso Amor Já Morreu
16 No Toca-Fita Do Meu Carro
17 O Grande Amor Da Minha Vida
18 Você Me Pertence
19 Lembranças Do Rei
20 Adeus, Solidão


sábado, 19 de maio de 2007

FRANCISCO CUOCO - FRANCISCO CUOCO (EP) (1974)

Demorou, mas tá aí!

O ano da revelação, 1974. A estrela, Francisco Cuoco. Quando todos pensavam que o cara era apenas um mero coadjuvante na vida - um ator ôco dos arranjos de cast da Rede Globo -, ele aparece para uma reviravolta espetacular na carreira. Os bastiões da música popular agradecem aos céus e aos infernos por isso! Um movimento involuntário se torna a salvação. Se o Chico assim pensou, ou se apenas uma brincadeira era, o que importa é que esse EP de divulgação se transformou numa relíquia, que o MÚSICA DAS ANTIGAS traz à tona.

O EP, que depois se converteria num LP repleto de tosqueiras, traz de um lado Soleado, a clássica brega de todos os tempos, e de outro Amo, parte de Aria (da Orchestral Suite No. 3) de Bach, ambas tendo como letras poemas do Helio Matheus (Todo o Tempo do Mundo e Amo), recitadas/gritadas/escarradas pelo nosso bardo.

Pra cantar, digo, recitar junto... 


Todo o Tempo do Mundo 
(Helio Matheus)

Hoje tenho tempo
Tenho todo o tempo do mundo
Para pensar em nós
Para pensar em ti, em mim
Em todas as pequenas coisas que fizemos
Que até agora não entendo
Por que te amo
Te amo, e como te quero

Me deito nas nossas manhãs
E sinto o calor de nossos corpos juntos
Formando um acorde maravilhoso
Que nunca mais pude esquecer
Recordas as imagens cheias de carícias
E sussurros
Quanto sinto, quanto te quero

Tudo se acabou
Tudo se acabou como tudo acaba quase sem querer
Igual ao rio que se perde no mar
Não, não
Não foi culpa tua nem minha
Por causa desse bobo orgulho
Perdemos mil coisas boas
Mil coisas boas

Hoje tenho tempo
Tenho todo o tempo do mundo
E quanto mais penso
Mais te adoro te desejo
Tudo porque te amo
Eu te quero
Como te quero
Como te quero 


Faixas: 

Lado A
Soleado (Todo o Tempo do Mundo)
(Zacar - adapt.: Ray Giraldo)
(versão e adapt.: Helio Matheus) 

Lado B 
Amo (Aria)
(Bach)
(versão e adapt.: Helio Matheus) 

linque

BARTÔ GALENO - NO TOCA-FITA DO MEU CARRO (1977)


Simplesmente, Bartô...

Bartolomeu da Silva nasceu em 1950, na Paraíba, mas foi criado na cidade potiguar de Mossoró. Lançou seu primeiro disco, "No Toca-Fitas do Meu Carro" - que o MÚSICA DAS ANTIGAS tem o prazer de compartilhar -, no fim da década de 70, e a canção-título é um de seus maiores sucessos até hoje. "Só Lembranças", seu disco de 78, emplacou "Cadeira Vazia" e "Amor Vagabundo", ambas divididas com Carlos André, seu parceiro mais freqüente. Em mais de 20 anos de carreira romântica, foi regravado pelos Trios Irakitan e Nordestino, além de ter varrido o país com outro hit, "Amor Com Amor Se Paga".


(Fonte: iMusica.)


Faixas:

01 No Toca-fita do Meu Carro
02 Novamente
03 Que Amor Danado que Arranjei
04 O Grande Amor da Minha Vida
05 Você Vai se Arrepender
06 Pense, Meu Bem
07 Adeus, Solidão
08 Não Vou Voltar Atrás
09 Você Me Pertence
10 Lembranças do Rei
11 Velhos Tempos
12 Seja o que for
13 Amor e Desprezo
14 Maria, Maria


quarta-feira, 16 de maio de 2007

BARROS DE ALENCAR - GRANDES SUCESSOS


"Alô, mulheres, segurem-se nas cadeiras!"

Essa é uma das frases desta figura mitológica que os mais distraídos só conheceram como apresentador e locutor de rádio. Para os mais inteirados, o MÚSICA DAS ANTIGAS traz o Barros de Alencar cantor, numa coletânea das melhores, embalando os sucessos que fizeram uma geração cantar.

Os destaques aqui vão para Apenas 3 Minutos, o hino brega Soleado e a clássica Prometemos Não Chorar - aquela do cara dando o fora numa dona no telefone e ela acabando num choro lamentável, e que rendeu paródias e paródias nas paradas populares deste Brasilzão.
Não dá pra entender porquê - ou talvez por este fato mesmo (de serem populares) - essas coisas ficaram no limbo da história. ...Mas quem faz a história? Estamos aqui pra isso!


Faixas:

01 Meu Amor
02 Noite
03 Meu Amor É Mais Jovem Do Que Eu
04 Quem É
05 Natali
06 Estou Ficando Louco
07 O Maior Amor Do Mundo
08 Apenas 3 Minutos
09 Não Vá Embora
10 Os Homens Não Devem Chorar
11 Soleado
12 Ansiedade
13 Emanuela
14 Olhos Tristes
15 Ana Cristina
16 Quero Beijar-te as Mãos
17 A Despedida
18 Prometemos Não Chorar
19 Namorados


quinta-feira, 10 de maio de 2007

FRANCISCO CUOCO - DUAS VIDAS (1977)

Pra quem não conhecia a faceta cantor do galã Francisco Cuoco, taí a chance... Pra quem ouviu "Soleado" (lançado num compacto simples pela RCA, em 1974) e esperava por outras raridades, essa é pra se esbaldar. Mas, se alguém disse "cantor", foi um lapso! Francisco Cuoco não canta(!), e nunca cantou. Assim como nunca foi ator...(?)...(!)

O compacto "Duas Vidas" traz uma combinação perfeita de uma música da parceria Baden e Vinícius, da faixa título, de um lado, e o hit brega dos 70' "My Life", à la Michael Sullivan, em "Vida", época em que o Brazil deslumbrado cantava em inglês. As letras são impagáveis!

É lama da mais alta qualidade! Presentão de Dia das Mães!


Faixas:

Lado A

Duas Vidas
(Poema de Hélio Matheus / Música "Deixa", de Baden e Vinícius)

Lado B

Vida
(Poema de Sílvio César / Música "My Life", de Richard Lee - Michael Sullivan - Mark)


domingo, 6 de maio de 2007

ODAIR JOSÉ - O FILHO DE JOSÉ E MARIA (1977)


Além de ter sido censurado na época, com a música “Páre de Tomar a Pílula”, o estilo de falar abertamente de sexo nas canções levou Odair José a ser excomungado pela igreja católica, por uma composição que falava de amor e pregava que não era preciso estar casado no papel.

Após o incidente, Odair José resolveu lançar o disco “O Filho de José e Maria”, e todo mundo disse que ele havia ficado maluco. Ele escreveu várias canções que falavam de cada fase da pessoa, “a primeira é quando a pessoa nasce e vai até a última que é quando o cara morre”, declarou José.

O disco ficou conhecido como uma ópera-rock, ou também como o álbum progressivo de Odair José. A igreja não gostou, porque achavam que o disco falava de Jesus Cristo, e também tinha uma música que contava a história de um homem que ficava doidão e outra que ele não sabia se era bicha ou macho. Era um disco pra ser tocado em teatro, e não para tocar num clube, ou nos inferninhos onde os espectadores ouviam o show enchendo a cara de cachaça. Esse disco não foi vitorioso comercialmente, mas foi um disco muito bem feito.

A inspiração para este álbum partiu dos livros do escritor Kalil Gibran, com “O Profeta”, e a vontade de montar uma banda de garagem com um som cru e rasgado, bem rock’n’roll.


* Fonte: Eu Ovo.


Faixas:

01 Nuca mais
02 Não me venda grilos (por direito)
03 Só pra mim, pra mais ninguém
04 É assim
05 Fora da realidade
06 O casamento
07 O filho de José e Maria
08 O sonho terminou
09 De volta às verdadeiras origens
10 Que loucura


ODAIR JOSÉ - ODAIR JOSÉ (1973)

"Música de baixa qualidade". "Superstar". "Artista de mau gosto". "Sexo, drogas e rock'n'roll". "Idolatria juvenil". "Canções de amor". "Sucesso popular". "Hormônios em ebulição". Decifrar um artista pop é como lapidar uma pedra preciosa em que cada polimento revela uma nova superfície. Nelas, é possível ver tudo, céu e inferno numa mesma camada, refletindo as ansiedades de quem vê. Como Elvis, Beatles, Roberto Carlos, James Brown, Ramones, RPM, Madonna, Metallica, Mamonas Assassinas ou Eminem, Odair José também atraiu amor e ódio em sua longa caminhada - cravando sucessos no imaginário popular que até hoje nos ajudam a refletir sobre a natureza de nossos preconceitos.

Nos arquivos oficiais e nas enciclopédias de música, o goiano Odair José não ocupa sequer o espaço de um verbete. Na exceção à regra, "Eu Não Sou Cachorro, Não", livro do baiano Paulo César de Araújo, ganhou um capítulo. Nas pastas da censura militar, é freqüentador assíduo, com letras condenadas por, como lembra o compositor, "cantar o amor da cama, não o do portão". Já na memória auditiva do "Baixo Brasil", onde sua ausência de diploma não o impediu de virar Ph.D. em comportamento e sentimento populares, tem lugar cativo com "Uma Vida Só" (ou "Pare de Tomar a Pílula"), "Eu Vou Tirar Você Desse Lugar" e "Deixa Essa Vergonha de Lado", sucessos do início dos anos 70, quando, depois da fase de seguidor de Roberto Carlos, passou a olhar o Rei de lado, não mais de baixo para cima. Naquele momento, classificado de Bob Dylan da Central do Brasil, também reinava.

O compositor ferveu na fase aquecida da repressão militar e da indústria fonográfica. A venda de discos passou, entre 1970 e 1976, de 25 milhões de unidades para 66 milhões. O consumo de toca-discos também explodiu no período. Isso significa que as classes C e D, antes adeptas sobretudo do rádio, passaram a ser compradoras de LPs. E ajudaram na consagração de muitos intérpretes e cantores de fora do panteão da MPB e do tropicalismo.

Odair nasceu em Morrinhos, Goiás, e foi crooner de banda na adolescência, em Goiânia, até conhecer Roberto Carlos, aos 18 anos, em 1967, nos bastidores de um baile em que ambos cantaram. Estimulado pelo ídolo, que é uma de suas principais referências assumidas (ao lado de Altemar Dutra, Anísio Silva e Peter Frampton), mudou-se para o Rio de Janeiro. Sem dinheiro, morou na rua. Foi abrigado pelo compositor Ataulfo Alves, sobreviveu como cantor de boate, conviveu com o sambista Zé Ketti, conheceu a dor da gente simples. A partir de 1970, emendou sucessivas gravações, ganhou o mercado latino, injetou guitarras e pianos incomuns para suas derivações do bolero, foi vaiado com Caetano Veloso em um show (o Phono 73) no qual dividiram o palco e montou uma inventiva e fracassada ópera-rock.

Suas letras, dotadas de realismo direto, nasceram da experiência inicial no Rio. "Amadureci um ano em um dia ao observar a vida das pessoas com quem convivia no centro e na Lapa", lembra, com seu ar tímido e olhar tristonho, expressão de um assumido estado de solidão e melancolia. "Não sou compositor, mas um observador. Meus assuntos existem, não preciso inventá-los. Eu apenas faço música com a vida alheia e ela às vezes é dolorida", filosofa.

O historiador Paulo César de Araújo, autor do livro "Eu Não Sou Cachorro, Não", sobre os vetos dos militares aos compositores rotulados de bregas, trata Odair como transgressor. Em um momento de repressão, ele não teve papas na língua. Suas letras foram vetadas por tratar de sexo ("Em Qualquer Lugar": A gente ama até demais/e quando tem um grande amor/a gente faz em qualquer lugar), de drogas ("Viagem": Venha comigo em minha viagem/não se preocupe/eu tenho as passagens), homossexualidade ("Forma de Sentir": Sei que és entendido e vais entender/que eu entendo e aceito tua forma de amor) e religião ("Cristo, Quem É Você?": Lhe procurei/fui à sua casa/mas lá não lhe encontrei). Nenhuma metáfora.

Nenhuma canção de seu repertório repercutiu tanto quanto "Uma Vida Só", ou "Pare de Tomar a Pílula" (Pare de tomar a pílula/porque ela não deixa nosso filho nascer). A letra caiu na boca do povo, mas chegou a ser proibida por algum tempo, por contrariar o governo. "O regime militar patrocinava a entidade Bemfam, que desenvolvia campanha de controle de natalidade nas famílias de baixa renda, e se empenhava na farta distribuição de anticoncepcionais", escreve Araújo em "Eu Não Sou Cachorro, Não". O cantor desobedeceu à proibição em shows, a pedido do público, e foi parar na delegacia por atender o povo. Odair liderou a lenta transfomação do pudor brasileiro nos anos 70 (acompanhado pelas pornochanchadas, pelo jornal Pasquim, e por Leila Diniz), ao mesmo tempo que dominava as ondas do rádio e lhe imputavam o título de "cantor das empregadas domésticas", como se isso fosse um demérito.

Aprisionado nas últimas duas décadas na cela pulverizante do brega, Odair está virando cult para uma nova geração vacinada contra elitismos redutores, que não fica cega e surda para manifestações não consumidas pela elite. O tributo Vou Tirar Você Desse Lugar (título de seu histórico compacto, sucesso fenomenal em 1972), com 22 músicas gravadas por ele interpretadas por artistas do cenário pop e rock atual, foi lançado em agosto de 2005 acendendo velas para ressuscitá-lo do limbo mercadológico.

Fontes: Revista Bizz (Alexandre Matias, Abril de 2006) e Revista Época ("Do brega às cabeças", Cléber Eduardo, Junho de 2005)


"A minha música faz parte da história da música brasileira. MPB, para mim, é música popular brasileira. Agora, existe a música popular de Ipanema, e dessa eu não faço parte. Tem pessoas que acham que só eles podem fazer parte da história, da maneira deles. Outro dia mesmo vi na televisão uma coisa absurda. Aquele cara que toca violão e é casado com uma americana, Carlos Lyra, dando uma entrevista dizendo 'a gente não era como Francisco Alves e Ângela Maria, éramos rapazinhos de classe média alta que faziam música de bossa nova para tocar no nosso ambiente chique'. Ah, deixa de ser babaca. Quem é de classe média alta e é chique não precisa falar essas coisas. Mesmo porque todos os cantores da bossa nova são cópias do João Gilberto. E o João Gilberto vem do interior da Bahia, não é de classe média alta. O João Gilberto faz música para o povão.


Eu já escutei de Beethoven a Luiz Gonzaga, de rock pesado a Steely Dan e Crosby, Stills, Nash & Young. Mas as minhas informações, até por eu mesmo querer, foram sempre as mais simples. Eu descobri que sou, na verdade, um repórter musical. A intenção de chegar no povão havia porque a intenção era fazer uma reportagem da vida das pessoas. Eu poderia fazer uma crônica do milionário que mora na Vieira Souto, porque tanto faz o cara ter US$ 1 bilhão ou ter R$ 1.000, porque se ele estiver apaixonado ou tiver um problema existencial, vai ser a mesma coisa. Só que um vai sofrer num ambiente chique e o outro, num pobre. Um vai beber uísque da melhor qualidade e o outro, cachaça.

No meu começo de carreira, fiquei dois anos tocando violão em cabarés do Rio. (...) O que eu canto, eu vi acontecer muito naqueles bares. Eu percebi na época que já existiam vários segmentos musicais estabelecidos. O Roberto Carlos já tinha seu estilo. Ele cantava o amor do portão, do namoradinho, o beijo roubado, 'Eu te darei o céu'. Quando, na verdade, os namorados já estavam indo para a cama, não estavam mais ficando no portão. O amor já tinha ficado adulto, e eu entrei para cantar esse amor adulto."


* Fonte: Folha de S.Paulo (Ronaldo Evangelista, 03/03/2006).


Faixas:

01 Deixe essa vergonha de lado
02 Os anjos
03 Eu, você e a praça
04 E ninguém liga pra mim
05 De repente
06 Uma vida só [Pare de tomar a pílula]
07 Revista proibida
08 Eu sinto pena e nada mais
09 As noites que você passou comigo
10 Quem é esse rapaz?
11 Cade você?
12 Que saudade de você

sexta-feira, 4 de maio de 2007

ODAIR JOSÉ - LEMBRANÇAS (1974)


O MÚSICA DAS ANTIGAS traz o velho Odair José na sua melhor fase... Depois do lançamento no ano anterior (1973) do antológico Odair José, que causou impacto - inclusive por sofrer ataques da censura (!) - Lembranças continua a série de boas canções. Indo do romantismo de A Saudade Vai Mexer Com a Gente, Noite dos Desejos, além da faixa título Lembranças, a sutis críticas à vida privada como Cotidiano nº 2, há no repertório algumas pérolas de Donizette, como A Noite Mais Linda do Mundo (Felicidade), até a famosa e inusitada parceria com Gil, Amantes. É de cortar o coração...


Faixas:

01 Lembranças
02 Noite de desejos
03 A saudade vai mexer com a gente
04 Alegria triste
05 Amantes
06 Barra pesada
07 Cotidiano Nº 2
08 Você que já foi tudo para mim
09 Eu ainda te amo
10 Seja o que Deus quiser
11 Eu preciso de você
12 A noite mais linda do mundo (Felicidade) 


linque
_

Linque quebrado?

Encontrou algum linque quebrado?

Marcadores

A Patotinha (1) Abdias (2) Abílio Farias (3) Adelino Nascimento (6) Adilson Ramos (5) Adriana (4) Adriano Santa Cruz (1) Agepê (1) Agildo Ribeiro (1) Agnaldo Rayol (1) Agnaldo Timoteo (12) Alcides Gerardi (1) Aldo Sena (1) Almir Ricard (1) Almir Rogério (6) Altemar Dutra (1) Alípio Martins (9) Amado Batista (15) Amilton Lelo (7) André Amazonas (1) Angela Maria (3) Angelo Máximo (7) Antonio Carlos e Jocafi (1) Antonio Marazona (1) Antonio Marcos (15) Anísio Silva (1) Ary Lobo (1) Ary Toledo (1) Augusto César (1) Babau do Pandeiro (4) Balthazar (4) Banda Cabeça Enfeitada (1) Barros de Alencar (9) Bartô Galeno (13) Bebeto (2) Benito di Paula (2) Beto Barbosa (3) Betto Dougllas (2) Biafra (4) Bianca (2) Canarinhos de Petrópolis (1) Capital do Sol (1) Carlito Gomes (2) Carlos Alberto (4) Carlos Alexandre (15) Carlos André (4) Carlos Gonzaga (2) Carlos José (1) Carlos Santos (5) Carlos Silva (1) Carmen Silva (9) Cast RCA (1) Cauby Peixoto (3) Cesar Sampaio (5) Chacrinha (1) Chico Amaro (1) Claudia (1) Claudia Barroso (7) Claudio Di Moro (3) Claudio Galeno (1) Claudio Roberto (2) Clemilda (1) Cláudia Telles (2) Cláudio Fontana (3) Coro Infantil da FuNaBEM (1) Coronel Ludugero (1) Coroné (1) Cristiano Neves (1) Célio Roberto (3) Demetrius (1) Denis e Demian (1) Diana (15) Dicró (1) Dino Rossi (1) Discografia (14) Dory Edson (1) Dudu França (2) Ed Wilson (1) Edel Reis (1) Edson Duarte (2) Eduardo Araújo (1) Eliana Pittman (1) Elino Julião (5) Elisângela (2) Elizabeth (2) Elymar Santos (1) Erasmo Carlos (5) Evaldo Braga (15) Evaldo Freire (3) Evinha (1) Fafá De Belém (1) Falcão (4) Fernando Lelis (7) Fernando Luiz (1) Fernando Mendes (22) Franc Landi (1) Francisco Cuoco (10) Francisco Petrônio (3) Frankito Lopes (9) Fredson (3) Fábio (1) Fábio Jr (5) Genghiskan (1) Genival Lacerda (7) Genival Santos (8) Geraldo Nunes (3) Giane (3) Gilberto Lemos (3) Gilberto Reis (1) Gilliard (10) Gilson (3) Gretchen (6) Harmony Cats (1) Heleninha (1) Heleno (4) Helio Portinhal (2) Hermes Aquino (1) Ismael Carlos (5) Ivan Peter (2) Ivon Cury (1) J. Aquino (3) Jacinto Limeira (1) Jair Rodrigues (1) Jane e Herondy (11) Jerry Adriani (10) Jessé (1) Joanna (1) Joelma (6) Jorginho do Império (1) José Augusto (15) José Augusto Sergipano (1) José Orlando (1) José Ribeiro (6) José Roberto (5) João Dias (1) João Só (1) João Viola (1) Juanita (2) Juanita e Richard (2) Juca e Jeca (1) Julia Graciela (2) Júlio César (5) Júlio Nascimento (1) Kleber (1) Kátia (9) Latino (1) Leila (1) Leila Silva (1) Lenita Santos (1) Leno & Lilian (1) Leonardo (1) Lilian (6) Lindomar Castilho (14) Lindomar Lins (1) Lindú (1) Los Angeles (1) Luan e Vanessa (1) Luiz Américo (2) Luiz Carlos Magno (2) Luíz Caldas (1) Mamonas Assassinas (1) Marcelo (1) Marcelo Reis (2) Marcio França (2) Marcio Greyck (11) Marcio José (8) Marcos Roberto (5) Maria Alcina (3) Markinhos Moura (2) Martinez (1) Martinha (2) Matogrosso e Mathias (1) Maurinho da Mazzei (1) Maurinho Jr (1) Mauro Celso (3) Mauro Sérgio (1) Maurício Reis (4) Meire Rose (1) Messias Holanda (2) Miguel Angelo (1) Miguel De Deus (1) Miltinho Rodrigues (1) Moacyr Franco (7) Nalva Aguiar (3) Nelson Gonçalves (2) Nelson Montenegro (1) Nelson Ned (6) Nilton César (7) Nilton Lamas (2) Noriel Vilela (1) Núbia Lafayette (4) Odair José (27) Onildo Almeida (1) Orlando Dias (3) Orlando Silva (1) Os 3 do Nordeste (1) Os Incríveis (2) Osvaldo Oliveira (1) Oswaldo Bezerra (3) Ovelha (3) Patrick (1) Paulo de Paula (2) Paulo Diniz (3) Paulo Henrique (2) Paulo Moraes (1) Paulo Sergio (13) Peninha (5) Perla (14) Pholhas (1) Pinduca (3) Raimundo Soldado (6) Raul Gil (1) Raul Seixas (1) Raulzinho (1) Reginaldo Rossi (21) Renato e Seus Blue Caps (1) Ricardo Braga (7) Rita Cadillac (1) Ritchie (1) Roberto Barreiros (1) Roberto Leal (2) Roberto Luna (1) Roberto Müller (4) Roberto Nunes (1) Ronaldo Adriano (3) Ronnie Von (5) Rosana (2) Rosemary (4) Rossini Pinto (1) Rufino (1) Sandro Becker (4) Sara Sonaya (1) Sarajane (1) Sidney Magal (7) Silvinha (1) Silvinho (2) Sol (1) Sueli (1) Sula Mazurega (1) Sérgio Mallandro (6) Sérgio Reis (3) Tarcys Andrade (1) Tarântulas (1) Teixeira de Manaus (2) The Clevers (1) The Fevers (6) The Golden Boys (1) Tiririca (2) Tião Macalé (1) Tony Damito (3) Trio Esperança (1) Trio Irakitan (1) Trio Nordestino (1) Trio Xamego (1) Tutti-Frutti (1) Vanusa (6) Vic McKenzie (1) Virgilio (1) Vários Artistas (82) Waldick Soriano (21) Waldirene (3) Waleska (1) Walter Basso (2) Wanderley Andrade (1) Wanderley Cardoso (3) Wanderléa (4) Wando (9) Wilson Miranda (1) Yahoo (1) Zenilton (3) Zezinho Barros (1) Zé Calixto (1)